«A Cantiga é uma Arma» no TMG

TMG - Teatro Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana

De 15 a 17 de Abril, o Teatro Municipal da Guarda (TMG) promove através do seu Serviço Educativo a oficina «A Cantiga é uma Arma», sobre o 25 de Abril e o canto de intervenção, orientada pelo músico César Prata.

A actividade terá lugar na Sala de Ensaios do Teatro das 9h30 às 12h30 e das 14h30 às 17h30. e contará com uma apresentação final no Café Concerto no dia 17 às 22h00. A iniciativa destina-se a jovens entre os 14 e 18 anos e é limitada a 12 participantes. Os interessados deverão inscrever-se na bilheteira do TMG. O valor da inscrição é de 5 euros.
«A Cantiga é uma Arma» tem como objectivos: conhecer a sociedade portuguesa de antes do 25 de abril de 1974, compreender e enquadrar o sistema político instituído, conhecer e compreender o Estado Novo, conhecer instrumentos de repressão do regime e encarar a criação artística como forma de resistência política. A oficina vai ensinar a dominar técnicas básicas de criação musical e conceber uma pequena apresentação pública, mediante o arranjo e interpretação de quatro canções de intervenção.
A iniciativa é promovida no âmbito das comemorações dos 40 anos do 25 de Abril que o TMG promove durante todo o mês de Abril.

Concerto Solidário «O Planeta Limpo do Filipe Pinto»
Na terça, dia 15 de Abril, o TMG recebe o Concerto Solidário «O Planeta Limpo do Filipe Pinto», numa organização do Colégio de Línguas e Artes e da CERCIG. Toda a receita da bilheteira reverte para o projecto Sala multissensorial da CERCIG. O concerto está marcado para as 21h00 no Grande Auditório.
Trata-se de «uma viagem, repleta de aventuras, ao planeta imaginário do jovem músico Filipe Pinto. Pela mão do artista, será possível conhecer os recantos e encantos da floresta, cruzando-se com os seus simpáticos habitantes, as mais diversas criaturas da natureza, e percebendo, na primeira voz, o impacto negativo das más acções humanas na existência e na sobrevivência de todos os seres vivos. Preparados para esta pequena aventura? Quem quer ser a personagem principal desta história, ajudando o Filipe Pinto, o Tobias, o Tito, a Julieta e a Micas a melhorar o Planeta e o Ambiente?».

«Eu e tu», de Bernardo Bertolucci
«Eu e tu» de Bernardo Bertolucci é a sugestão cinéfila do Cineclube da Guarda e do TMG para o próximo dia 16 de abril (quarta feira). O filme, para maiores de 12 anos, passa no Pequeno Auditório às 21h30, e conta com Tea Falco e Jacopo Olmo Antinori nos principais papéis.
Na história, Lorenzo, de 14 anos, é um jovem tímido e anti-social que, apesar disso, se recusa a cumprir uma existência banal. Do que mais gosta é ler e ouvir música. A sua maior ambição é viver só, sem conflitos, ruído ou qualquer tipo de interferência. Para isso, durante uma semana de férias, diz aos pais que vai esquiar com um grupo de amigos e resolve esconder-se na cave da sua casa. Mas tudo muda quando Olívia (Tea Falco), uma prima afastada, chega para uma visita inesperada. Conhecê-la vai alterar radicalmente a maneira como Lorenzo vê a vida. Olívia torna-se assim a sua melhor amiga e confidente, que lhe ensinará tudo o que ele nunca aprendeu sobre o mundo ou sobre como sobreviver nele.
Depois de «Os Sonhadores», em 2003, «Eu e Tu» marca o regresso à realização de Bernardo Bertolucci («O Último Tango em Paris», «O Último Imperador», «Um Chá no Deserto»). A história inspira-se na obra homónima escrita, em 2010, pelo italiano Niccolò Ammaniti,

A «Vida Subterrânea« de António Jorge Gonçalves
No sábado, dia 12 de Abril, pelas 18h00 é inaugurada na Galeria de Arte do TMG a exposição «Subway Life» (Vida Subterrânea) de António Jorge Gonçalves. A sessão contará com a presença do autor que de resto dinamizará também uma conversa informal no mesmo dia, às17h00, no Café Concerto, que terá por missão desvendar as estórias por de trás de algumas das imagens que apresenta na exposição. A conversa e a exposição têm entrada livre.
«Subway life» é o projecto que levou António Jorge Gonçalves a desenhar pessoas sentadas em carruagens do Metro. Tudo começou em Londres – onde o artista residiu durante três anos – com um exercício que consistia em desenhar a pessoa que se sentasse à sua frente no Metro. Ao regressar a Lisboa, decidiu levar o jogo a outras 9 cidades: Lisboa, Berlim, Estocolmo, Nova Iorque, São Paulo, Tóquio, Atenas, Moscovo, e Cairo.
Em 2002 foi criado o site subway-life.com, que foi premiado no Flash Film Festival tendo recebido milhões de visitas. Em Setembro de 2010 foi publicado um livro (Assírio & Alvim) que reúne um conjunto significativo dos desenhos, complementado por apontamentos sobre cada cidade. (Aqui).
A exposição agora apresentada mostra uma selecção desses desenhos ampliados à escala humana, criando assim um efeito surpreendente de proximidade com estes desconhecidos.
O autor nasceu e vive em Lisboa. O seu trabalho percorre a banda desenhada, o cartoon político e as artes cénicas.
A exposição ficará patente até 13 de julho na Galeria de Arte do TMG e pode ser visitada de terça a quinta-feira das 16h00 às 19h00 e das 21h00 às 23h00, sexta das 16h00 às 19h00 e das 21h00 às 24h00, sábado das 15h00 às 19h00 e das 21h00 às 24h00 e domingo das 15h00 às 19h00. A entrada é livre.
Susana Adaixo

Deixar uma resposta