Multidão assistou à paixão de Jesus em Vilar Maior

Religião - © Capeia Arraiana (orelha)

O cenário natural da medieval e histórica Vilar Maior foi perfeito para os cerca de 150 actores, figurantes e técnicos amadores superiormente comandados pelo «realizador» Padre Hélder Lopes. Uma multidão de mais de mil e quinhentas pessoas assistiu, na noite de sexta-feira Santa, à recriação dos últimos dias da vida de Jesus nas graníticas ruas que levaram ao «Calvário» junto ao Castelo.

(Clique nas imagens para ampliar.)

As orações do Padre Hélder foram escutadas por São Pedro e os céus deram tréguas à chuva durante a noite de 29 de Março, sexta-feira Santa, permitindo a encenação dos últimos dias da vida de Jesus segundo o Evangelho de São Lucas.
Aos cerca de 80 residentes habituais em Vilar Maior juntou-se uma multidão de mais de mil e quinhentas espectadores que se deslocaram de propósito para assistir ao espectáculo protagonizado por 150 actores, figurantes e técnicos amadores.
A encenação decorreu conforme estava programada com o percurso pelas ruas de Vilar Maior e ser feito em clima de silêncio, oração e grande respeito pelas representações.
«Os participantes, antes de começar a encenação e no final da mesma, fizeram uma oração comunitária na sede da Junta de Freguesia que serviu de centro logístico e guarda-roupa. Pessoalmente não consigo destacar nenhum acto. Todos foram vividos com grande intensidade, simplicidade e autenticidade. No final e nos dias seguintes as pessoas chegavam junto de mim para destacar o quadro visual que mais lhes tocou mas com um denominador comum. A beleza de todos eles», disse-nos, com satisfação, o padre Hélder Lopes acrescentando que «os actores estiveram todos muito bem e o guarda-roupa tentou respeitar o mais fielmente possível a época retratada». O grande responsável pelo brilhante espectáculo fez questão de destacar que «a luminotécnica, dentro dos limites orçamentais, não comprometeu mas a sonaplastia é o aspecto que tentaremos melhorar nos próximos porque há que ter em atenção a dificuldade de arranjar formas de se fazerem ouvir tantos actores intervenientes, em tantos espaços distintos, com um orçamento tão apertado e com tanta gente a assistir».
O «palco» não podia ser melhor. O cenário natural, arquitectónico e patrimonial de Vilar Maior transformou-se do dia para a noite numa Jerusalém incrível. «Parece uma aldeia desenhada para este tipo de espectáculo. O caminho para o calvário, por veredas medievais, quase desconhecidas até para habitantes locais, foi simplesmente indescritível. O calvário junto às muralhas do castelo foi outro espaço muito apreciado pelos espectadores», enalteceu o padre Hélder.
Na «mega-produção» houve aspectos técnicos que exigiram maiores questões de segurança com destaque para os episódios de Jesus sentado na barca no rio Cesarão a ensinar a multidão que se comprimia nas margens e o enforcamento de Judas a cinco metros de altura.
Questionado sobre a possibilidade de repetir esta encenação em Vilar Maior em anos futuros o padre Hélder Lopes esclareceu que «é um assunto que será avaliado e programado na instância própria, o Conselho Pastoral da Unidade Pastoral do Planalto do Côa, constituído por representantes de todas as paróquias, comunidades e instituições que me estão confiadas» e aproveitou para «deixar uma palavra de agradecimento a todos os que colaboraram na realização desta encenação».
A terminar o jovem pároco fez um balanço positivo da iniciativa e clarificou o entendimento que tem da sua missão pastoral junto das comunidades que lhe estão confiadas:
– Pessoalmente tenho a certeza que foi uma actividade pastoral importante. Envolveu 15 aldeias e dezenas de pessoas – incluindo algumas que não estão muito comprometidas com as exigências da fé cristã -, que a partir de actividades como esta acabam por ter mais contacto com o Evangelho e com a Igreja Católica comprometendo-se mais na vivência da fé. Nós, padres, não podemos ficar fechados nas nossas igrejas e sacristias esperando que as pessoas nos questionem. Sentimos a necessidade de dar formação cristã adulta e criar espaços para a vivência espiritual. Foi a partir da percepção destas necessidades que nasceu na Unidade Pastoral o Centro de Espiritualidade Cristo-Rei, na Ruvina. As duas primeiras respostas que o Centro de Espiritualidade está a oferecer são a Escola da Fé, com sessões semanais de teologia para leigos e os Retiros Mensais, todos os primeiros sábados.

A encenação de paixão de Jesus em terras raianas está a tornar-se num caso sério de envolvência, participação e fé das populações aliado à curiosidade daqueles que no seu dia-a-dia têm uma relação mais afastada ou mesmo nula com a prática católica. Todo o caminho se faz caminhando e sentimos que a semente está lançada para que, ano após ano, a iniciativa vá aumentando de importância e de «espectadores». Bem-haja padre Hélder Lopes por todo o empenho e sabedoria na organização do espectáculo religioso.
jcl

One Response to Multidão assistou à paixão de Jesus em Vilar Maior

  1. Natália Bispo diz:

    Parabéns a todos os intervenientes. Uma palavra de apreço ao Padre Hélder pela dinâmica que está a imprimir à s nossas terras! As heranças culturais/religiosas caíram em boas mãos!
    Saudações da Casa que tanto reconhece!

Deixar uma resposta