Ao Capeia

Escrever é sempre um ato de comunicar, de libertar a mente através da opinião. O Capeia levou-nos à comunicação, estes anos todos, como um «jornal» livre e independente, em que cada um de nós se libertou nas palavras. Esta liberdade é uma riqueza que a todos alegra, certamente, a todos engrandece. Mais, o Capeia levou-nos muitas vezes à pesquisa e daí também ao nosso enriquecimento. Parabéns Capeia Arraiana! Bem-haja José Carlos Lages, que foi quem me trouxe. E, não sendo eu raiana, já muitas vezes disse…

Vim para a Raia
Me trouxe o tempo e a vida
Aurora acolhida em manhã estival.

Algumas vezes a pé
Pisei novos caminhos
Descobri novas verdades
Alheias mas despertadoras.

O frio regelava-me os ossos
Mas a lareira e a amizade
Aquecia-me a alma
E recordo o despertar
Quando até os cobertores
Choravam sobre o meu corpo
Alertando para o frio
Que soprava pela janela
Convidando ao aconchego
Ao lume, crepitando.

Em cada esquina um sorriso
Em cada porta uma saudação
Senti um aconchego
No inverno e no verão
Dancei nas fogueiras
Cantei nos Natais
E não sendo raiana
Aprendi a amar as manhãs frias
As lareiras fogosas
E a vida é também isto
Agradecer o diferente
E sorrir.

Obrigada Raia! Obrigada Sabugal!
Obrigada gentes e Capeia Arraiana
A todos agradeço com carinho

«O Cheiro das Palavras», poesia de Teresa Duarte Reis
netitas19@gmail.com

Deixar uma resposta