Uma lufada de esperança?…

Porque já entrámos em pleno período pré-eleitoral…

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - Capeia ArraianaEm junho de 2008 escrevi uma crónica que terminava da seguinte forma:
«E porque penso que as pessoas se devem definir e que quando se escreve num espaço público se deve aos seus leitores a clarificação das suas posições, não posso deixar de declarar que apoio de forma incondicional o anunciado candidato do Partido Socialista à Câmara Municipal, o António Dionísio, isto é, o Toni.
Apoio-o por ser um sabugalense; apoio-o por ser um homem bom e um homem de bem; apoio-o por ser uma lufada de ar fresco na vida política do Concelho; apoio-o por acreditar nas suas capacidades para criar uma nova era de desenvolvimento do Concelho; apoio-o por fim, por ser o candidato do Partido Socialista.»
Os meses seguintes vieram dar-me razão, pois o Toni teve a capacidade de apresentar um programa eleitoral ambicioso e muito exigente, o qual, estou certo, permitiria criar um Concelho do Sabugal com futuro.
Mas teve também a capacidade de juntar à sua volta um conjunto de militantes socialistas e de independentes que tudo fizeram para que o Toni fosse eleito Presidente e, assim, pudesse concretizar as suas propostas.
Passados quatro anos, o Partido Socialista escolhe um candidato que, pelas suas próprias palavras, não se revia na estratégia do Partido Socialista em 2009, e que agora avança num processo de seleção para o qual uma parte significativa dos sabugalenses que se envolveram e continuaram envolvidos politicamente com as ideias da candidatura do Toni, não foi perdida nem achada.
Como o disse em 2008, há alturas em que devemos a quem nos lê, um esclarecimento das nossas posições, custe o que custar.
E por isso, não posso deixar de dizer que nada tenho a ver com a atual estratégia eleitoral do Partido Socialista, pelo que comuniquei já aos órgãos partidários competentes esta minha posição, lamentando que tudo o que foi construído em conjunto nos últimos quatro anos, seja deitado fora como se de lixo se tratasse, e lamentando ainda que tudo isto se pareça mais com uma vingança de quem não esteve com o PS em 2009, e se aproveite agora da ocasião para expurgar o Partido de qualquer memória do Toni e da sua equipa.
Este lamento e este desânimo que passa um pouco pela maioria dos sabugalenses que se mobilizaram em 2009, vinha-me sendo transmitido de várias formas, acompanhadas, quase sempre, de uma pergunta «mas não é possível construir uma alternativa?»
Ora da minha estadia no Sabugal no último fim de semana, fico com a sensação que há uma hipótese de se renovar a esperança que o Toni nos deu em 2009. Tomei conhecimento da existência de um grupo alargado de sabugalenses, independentes e militantes partidários, presidentes de junta e membros da assembleia municipal, que ainda hoje se reveem no programa apresentado pelo Toni e com vontade de criar uma plataforma que corporize essa alternativa para as próximas eleições autárquicas.
Acredito hoje que o amor à terra que nos viu nascer, e a crença que todos temos em que as propostas apresentadas continuam a ser as mais adequadas para inverter o ciclo de desertificação, envelhecimento e perda de competitividade regional do Concelho do Sabugal, levará, repito, acredito eu, a que muitos, incluindo o Toni, se mobilizem para apresentar uma alternativa de futuro!
Se assim for, e embora lamente que o Partido Socialista tenha tomado outras opções, lá estarei na linha da frente como há quatro anos!
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

rmlmatos@gmail.com

27 Responses to Uma lufada de esperança?…

  1. antónio carlos diz:

    Não conheço o autor do texto que segue. Mas com a determinação com que combate o PS, parece-me que pouca falta fará para uma nova política tão necessária no Saugal.
    A incoerencia ao mais alto nível!

    MUDAR
    Estamos a escassas horas das eleições legislativas. Apesar de muitos ainda não terem percebido, estamos em contagem decrescente para as eleições mais importantes da história democrática portuguesa. O país está de rastos, precisa de se alavancar, sob pena de se tornar “insolvente” e aumentar a sua dependência de instâncias europeias e internacionais.

    Em contraponto, termina hoje uma das piores campanhas eleitorais de sempre. Quando se impunha falar com verdade aos portugueses, apresentar medidas sólidas e com largo apoio, medidas estruturais e que possam sustentar a economia portuguesa, trazendo uma mensagem de esperança, mas com os pés assentes no chão, o que assistimos foi aos ataques pessoais, à crítica comezinha, aos temas de menos importância.

    José Sócrates e o PS – sendo certo que o verdadeiro problema é José Sócrates, pois se o PS tivesse apresentado outro candidato, a própria discussão e os seus resultados seriam provavelmente muito melhores – montaram o habitual palco de “teatro” de campanha. Muitos autocarros, indianos, bandeirinhas e telepontos, mas quando tocou ao discurso político, à mensagem aos portugueses, ela foi nula.

    A estratégia é profissional. Focar a campanha contra o PSD – único partido capaz de protagonizar a mudança – afastando o discurso daquilo que seria natural: PRESTAR CONTAS DOS ÚLTIMOS ANOS DE GOVERNAÇÃO! -.

    De mensagem de esperança do PS ouvimos zero, de medidas zero ao quadrado. Mas de mentiras ouvimos muito, de ataques pessoais e contra o maior partido da oposição, como se tivesse sido este a governar nos últimos anos e a deixar o país à beira da bancarrota.

    Ainda ontem ficou clara a falta de tacto, de verdade e de bom senso de José Sócrates. Criticou a medida do PSD de baixar a TSU, “criou” um aumento de impostos no programa do PSD e afinal, o memorando (o assinado e o sem assinatura) previam precisamente essa medida como necessária e urgente para promover a competitividade das empresas e criar empregos.

    Sócrates, que destruiu como nunca o Estado Social em Portugal (veja-se a comparticipação dos medicamentos, as reduções nas pensões e subsidio de desemprego e os abonos de família) andou, de cidade em cidade, a apregoar o “monstro social” do PSD. Que este partido iria acabar com o estado social. Mas curiosamente, é o PSD o único partido a apresentar medidas sérias de apoio social, dedicando mais de sete páginas do seu programa a esta área, com medidas sérias e concretizáveis.

    Passos Coelho e o PSD têm uma equipa séria, que junta gente jovem, com determinação e as pessoas que durante anos têm dado a cara e emprestado o seu conhecimento ao partido e que, historicamente, estão todos ao lado do líder – Marcelo Rebelo de Sousa, Manuela Ferreira Leite, António Capucho, Luis Marques Mendes, Paulo Rangel, Luís Filipe Menezes, Pinto Balsemão, entre muitos outros -. Creio sinceramente que Passos Coelho terá o bom senso e o pulso forte para acabar com caciquismos, com amiguismos e favores, e constituir um governo menor, mas mais forte e competente e um estado igualmente focado nas áreas essenciais de actuação na sociedade, acabando com o despesismo inútil e improdutivo a que assistimos em diversos organismos desconcentrados e estado central.

    E agora que se aproxima a hora de nós, verdadeiros titulares do poder político, irmos exercer a nossa vontade de representação, há que apostar na MUDANÇA.

    Se Sócrates ganhar as eleições será o maior retrocesso democrático em Portugal. O país continuará na mesma – muito mal -, com os mesmos protagonistas, com as mesmas politicas que nos conduziram até aqui.

    E não nos valerá a experiência destes senhores (claramente demonstrada, mas em sentido negativo) em contraponto com uma suposta inexperiência de PPC. Estar na vida empresarial, esforçar-se para manter e aumentar postos de trabalho, criar riqueza para o país e as famílias, pagar impostos e preocupar-se diariamente com a gestão de muitas empresas não é para o PS sinal de competência! Pois não, sobretudo quando a esmagadora maioria destes senhores sempre viveu encostado a um vencimento do estado, que chega sempre a tempo e horas! E talvez uns projectos de moradias, umas trocas de assinaturas, uns licenciamentos em zonas ecológicas e uma licenciatura ao domingo sejam efectivamente sinal de experiência e muita… para governar um país!

    Só o PSD pode protagonizar a mudança em Portugal. Precisamos de votar no PSD, que está preparado para governar e bem. Devemos combater, junto dos nossos amigos, a abstenção e os votos não úteis.

    Na minha opinião, concebo que os eleitores de esquerda se possam rever e bem na CDU. Este partido cumpre com aqueles ideais (talvez mais criticáveis na forma e na expressão, do que propriamente no conteúdo), é critico e uma oposição consciente . Acredito com determinação que o eleitorado de centro, que está cansado de Sócrates, lhe mostre o cartão vermelho, levando à sua humilhação eleitoral para que nem sequer ocupe o lugar de deputado e líder da oposição destrutivo. E só o pode fazer votando no PSD.

    O PP não é alternativa. Continua a ser um partido muito à direita, apesar dos desvios eleitoralistas que tem feito, que será perigoso com um peso eleitoral expressivo, com ideias já transmitidas de chefiar governo. Poderá ser um bom parceiro para o PSD, tem gente competente, mas não poderá ter um peso eleitoral que possa permitir demasiadas exigências. PPC será o Primeiro Ministro que conduzirá as linhas de actuação do governo e as politicas de maior e mais urgente intervenção.

    O voto de mudança é pois no PSD. O voto de esperança para Portugal é no PSD. E digo-o com muita convicção. Ouço e lido com muitas pessoas. Sei o estado em que se encontram as finanças de muitas famílias. Conheço as carências sociais. Ouço diariamente as dificuldades que as empresas atravessam por falta de apoios e políticas.

    No dia 5 de Junho ninguém deve ficar em casa. É preciso MUDAR

  2. José Carlos Mendes diz:

    Caro leitor, desculpe incomodá-lo com tantas palavras.
    Mas não consigo evitá-lo.
    Não costumo meter-me na política do concelho directamente. Por pudor.
    Mas desta vez, só se fosse irresponsável é que me ia abster.
    É meia-noite e 20, mas não posso calar-me.
    Na minha terra dizem que «quem está fora racha lenha», ou seja: não se deve meter na conversa.
    Só que, nesta coisa dos partidos, do poder e em especial das autarquias, dá-me sempre a sensação de que não estou (ninguém está) «fora».
    Por isso, arrisco.
    Podem considerar-me intruso: aceito.
    Mas no momento em que o nosso amigo Ramiro vem para a praça pública debater um problema tão sério, acho que todos devemos contribuir.
    Desdobro as minhas questões por pontos:


    Sabido agora o que o Ramiro, com todo o seu peso institucional nos conta, pergunto eu e perguntarão muitas pessoas: como foi então possível que as estruturas locais e distritais do PS fizessem tábua rasa do mandato que está quase no fim? É a primeira questão que publicamente vai de certeza colocar-se e que já deve estar a incomodar muita gente.


    Deve haver um ponto a preocupar todos os intervenientes (conscientes) nesta polémica que hoje aqui nasce publicamente mas que pelos vistos já mina parte da Sabugal-concelho há uns tempos. E esse ponto é o seguinte, simplesmente: é com situações destas que o actual Presidente da Câmara e o PSD batem palmas de contentes e com razão: assim, tudo fica bem mais fácil para a sua própria campanha e, quiçá, para a repetição do mandato, sem rebuço. Isto é tão simples que até chateia. «Vem nas NEPs»; está escrito em todos os manuais de táctica. Pior: quem faz política desde miúdo sabe que situações destas em geral acabam mal para todos os seus actores. Sabemos sempre como começam, mas nunca sabemos como acabam.


    Ao mostrar-se dividido, o PS assume uma grande responsabilidade perante todos os que o têm acompanhado mesmo que de longe mas em pormenor – como é o meu caso e o de tantos conterrâneos, seguramente. Faço notar que coisa semelhante mas à escala nacional, já aconteceu com a mudança Sócrates-Seguro, com as consequências que aí estão: não descola nas sondagens (ainda esta semana a Aximage dava o PS a apenas 6% mais do que o PSD, apesar da viva contestação social ao governo. Estas coisas de dividir pagam-se sempre muito caras. Mas a política nacional agora não me interessa: estou a ficar muito preocupado é com o concelho.


    Para todos os que estão de fora mas conhecem projecto da equipa então encabeçada pelo Toni só faria sentido aprofundar e levar à prática o Projecto. Aparecer no ar agora uma coisa destas – na prática, uma ameaça de ruptura, uma aparente divisão, caramba, que bom para o Presidente Robalo e a sua clara intenção de se recandidatar a outro mandato. O PS, abandonando as populações à sua sorte, assume uma responsabilidade histórica. Melhor: assumiria, porque eu espero e quero acreditar que «até ao lavar dos cestos» ainda muita coisa vai aclarar-se e muitas agulhas acabarão por ser acertadas. Assim espero, sinceramente.

    Finalmente: acho que o PS tem, melhor, os seus actuais dirigentes concelhios e distritais têm nas mãos a grande responsabilidade de se constituir (re-constituir, melhor) para o concelho como alternativa – para acabar com o que vem chamando «estagnação», «desertificação», «abandono», «imobilidade», «inércia» e até «má gestão dos dinheiros públicos». E, ao invés, criar (melhor concretizar) um projecto renovador, de mudança a sério, e que leve a cada aldeia sem excepção um fio de esperança, um sorriso em nome do dia de amanhã.
    Isso tem sido prometido pelo PS do Sabugal repetidamente e eu tenho ficado expectante e até esperançado, dada até a seriedade dos «promitentes».
    Agora com esta bojarda, fico sem fôlego e, sinceramente, à espera dos próximos capítulos. Que espero não matem um projecto com uma aberta no céu nublado e até, honestamente, com promessa repetida de transportar mesmo um raio de luz.

    Bom desfecho: é o que eu expresso aqui e muitos seguramente desejam.

  3. Pedro Saraiva diz:

    Gostaria se possível que publicassem este meu comentário

    Porque será que o Sr. Presidente da Assembleia Municipal, insiste na defesa acérrima do Programa eleitoral do Toni, será que foi ele que o fez?
    Não será por isso que está tão “irritado” com a escolha do candidato “que, pelas suas próprias palavras, não se revia na estratégia do Partido Socialista em 2009”?
    Sr. Presidente da Assembleia Municipal, aquele programa era irreal, quer na execução, quer atendendo aos recursos existentes, quer na manutenção, todo o povo sabugalense verificou isso, não foi apenas uma constatação de alguns.
    Será que o Sr. Presidente da Assembleia Municipal , não estará a exagerar deliberadamente quando afirma “Tomei conhecimento da existência de um grupo alargado de sabugalenses(…)que ainda hoje se revêem no programa apresentado pelo Toni e com vontade de criar uma plataforma que corporize essa alternativa para as próximas eleições autárquicas”?
    E quando fala de “vingança de quem não esteve com o PS em 2009” será que não será esta a “sua vingança” porque não concordaram com a sua estratégia perdedora de 2009, que queria repetir em 2013?
    Para terminar, creio que foi para dar resposta ao “lamento e desânimo que passa um pouco pela maioria dos sabugalenses” que se apostou numa alternativa com gente com experiência, que não vai para a Câmara a saber zero de Câmara e anda uns anos só para perceber onde se meteu, gente nova, dinâmica, com vontade de “mudar o mundo”, neste caso o concelho do Sabugal, gente com fortes raízes a estas terras, que mesmo estando fora durante algum tempo (sair e ver outras realidades só faz bem) não hesita em voltar para contribuir para um futuro melhor para todos neste concelho, gente diferente, capaz de fazer diferente.
    Por isso, sem usar os seus exageros nas palavras, lhe digo, que esta alternativa é a resposta aos anseios de muitos sabugalenses de todo o concelho.

  4. Joaquim diz:

    Aquilo que alguém chama ” Projecto Toni ” estava tão verde que não consegiu dar qualquer fruto…
    Compete aos órgãos partidários concelhios fazer a avaliação e redefinir novas politicas.
    Parabéns ao Nuno Teixeira pela grande coragem em romper com o vazio, sem ligar aos comentários de quem nada deu ao concelho, até hoje.

  5. Rosa Dias diz:

    Relembro o que o agora candidato dos socialistas disse na Assembleia Municipal de 26 de junho de 2009 (está na respetiva ata):
    António José Vaz depois de cumprimentar os presentes disse “(…) vou renunciar também ao mandato. Depois destes anos todos em que dei e tentei dar o meu melhor não me revejo nas orientações que a concelhia, neste momento, tem e, como tal, para ser coerente comigo próprio, não estou a fazer nada não quero ser uma peça a mais neste puzzle (…)”.
    Este sr Vaz que agora é o candidato indigitado do PS (segundo dizem!) demitiu-se do lugar para que foi eleito depois do seu chefe de fila, o Vitor Gonçalves de Pousafoles, fazer exactamente o mesmo na mesma sessão da Assembleia. Foi-se embora mas agora já vem à procura de um lugar quando à 4 anos se recusou a dar apoio ao candidato do seu próprio partido – é este senhor que querem para presidente?
    O sr Ramiro até agora ainda não fez o mesmo (demitir-se e desaparecer), mas fez coisa parecida no lavar da roupa suja.
    O Vaz falou na Assembleia, que nada tem a ver com posturas partidárias internas.
    O Ramiro falou aqui publicamente.
    Os senhores socialistas importam-se de fazer a vossa barrela da roupa suja lá nas reuniões do vossso querido partido?
    Já agora, o PS não pode arranjar uma treceira via? Que tal a senhora vereadora do Casteleiro, o presidente da junta da Robolosa, a senhora presidente da junta de Quadrazais ou o veredor independente Ricardo? Pensem em alguém capaz, que vos una vos dê a vitória ou no mímimo a perder com dignidade. Na política não pode valer tudo… comerem-se assim uns aos outros… até parece mal!
    Rosa Dias

  6. Anabela diz:

    Amigos e camaradas!…
    Está na hora de acabar com as guerras e dar as mãos por um Sabugal socialista capaz de lutar por um futuro diferente.
    O Vaz é socialista, é um candidato mobilizador, empreendedor, experiente em matéria autárquica ou querem compará-lo ao Toni?
    Unidos, venceremos.

    • Carlos Alberto diz:

      O projeto Toni
      Há 4 anos foi apresentado como candidato e criou muitas expectativas em torno desta candidatura, o que essencialmente se resumiu a: apresentação de um programa que não se adequava à realidade do Concelho do Sabugal, com uma equipa pouco forte, tendo sido este programa votado pelo povo e…chumbado! Nesta sequência, o Toni abandonou o Concelho do Sabugal, deixando todos os seus companheiros de jornada sem rumo. Passados 3 anos, e a acreditar no texto acima transcrito, apenas porque não estiveram envolvidos na escolha do candidato do PS, resolvem criar uma lista independente, sendo seu único objetivo impedir que o Partido Socialista ganhe as eleições. Um conselho a estas pessoas: não se identificam retirem-se, pois só quem não vive no Concelho ou não se interessa por ele é que não ouve o que a grande maioria do povo diz. O Sr. António Robalo como Presidente da Câmara vale muito pouco mas vai ganhar as eleições novamente, pois a oposição vale ainda menos. Não há dentro do Partido Socialista, no Concelho, gente com capacidade de o gerir e o levar a bom porto. Mais lhe digo, na raia “quem foge do forcão quando o boi está a tentar passar não é pessoa de confiança”. Por tudo isto faço um apelo ao PS: uma vez que o povo mostrou estar farto dos mesmos intervenientes, apostem numa equipa de gente jovem, dinâmica e fora do atual contexto político, sendo esta a alternativa necessária para o Concelho do Sabugal. Eu, que resido e trabalho no Concelho, penso que é necessária a tal lufada de ar fresco na política, e se, mais uma vez a acreditar no texto do Sr. Ramiro Matos, houver uma lista independente, o Partido Socialista que não baixe os braços, pois o povo tem a palavra final.
      Carlos Alberto

  7. antónio carlos diz:

    Parace-me que existe por esta terra alguma confusão. Certo é que cada um analisa da sua forma, pensando nomelhor para a sua terra. Não existe nem nunca existiu no mundo, e muito menos no Sabugal, alguém acima de qualquer crítica. No entanto, parece-me que há julgamentos que devem ser feitos, políticos também, sublinhando sobretudo a ética política.
    O António Vaz saiu da AM porque nao concordava com a orientação. Haverá alguém que o possa denunciar como um homem intelectualmente desonesto? Parece-me que não. Foi coerente com o seu pensamento, deixando toda a liberdade aos dirigentes para levarem a bom porto os seus desígnios. Ora, percebendo agora que a estratégia deu em nada e que o PS saiu fragilizado em todo o processo, parece-me que não se podem repetir os mesmos erros.
    Por outro lado, o Ramiro está a actuar fora de um comportamento ético, contrário ao que ele próprio defende.
    Porque é que o PS tem de o ouvir, se os seus órgãos acham que não? Qual o contributo que o Ramiro deu ao PS nos últimos anos deu ao PS, apesar de ter sido eleito nas suas linhas embora indepoendente? Os socialistas são mulheres e homens de bem. Mas também são pessoas que sabem e podem pensar. Só que nesta altura, os sus órgãos – sim porque o PS ainda tem órgãos eleitos – entendeu apoiar outro candidato.
    Será que o PS nao tem o dirito de pensar e decidir, ou deverá sempre ouvir quem, apesar de ter sido eleito nas suas listas, dos órgãos não faz parte?
    Aliás, o Ramiro sabe bem que não tem o direito de colocar as decisões do PS. Foram os socialistas que o apoiaram e ajudaram a eleger. Não foi eleito em nenhuma lista de independentes. O respeito que agora deverá ter pelo PS, é exactamente o mesmo que o PS nele depositou.
    Tdnho a certeza que o Ramiro, como homem inteligente que é, não vai estragar agora o que durante tantos anos construiu; coerência e respeito pelo próximo.
    Aos dirigentes do PS apenas digo para trabalkharem em conjunto, com independentes rigorosos e competentes, alternativa importante para melhorar no futuro a vida dos nossos concidadãos.
    O Vaz é um homem muito experiente na gestão autárquica, o que agora em tempos de crise, é a garantia que as finanças serão respeitadas e os cidadãos ouvidos.
    Cumprimentos

  8. Ricardo Neves diz:

    Tenho vergonha destes candidatos e destes cidadãos. O Presidente Robalo pode ser bom homem mas é um péssimo gestor e presidente. Prometia muito e pouco fez (eu votei nele). Este senhor do PS é fraquinho, basta ver o seu passado. Estou para ver o que vem desta 3ª Via. Arranjem alguém que valha a pena, pois independentemente da pessoa, precisamos de alguém bom, urgentemente. Espero que todos percebam isso, por mim a continuar assim qualquer dia estou na França e mai nada.

  9. Transcudano diz:

    Os Sabugalenses no seu melhor! Já se viram ao espelho?

  10. luis peres diz:

    Estupefacto pelas ocorrências. Estragaram numa semana o que andaram a construir em três anos. E atenção, que o Sr. António Robalo pode ser bom homem, pode ser mau gestor, mas é seguramente muito inteligente e politicamente dificil de bater! Alguns chamam a isto “bom homem”. Ingenuidade. Na Cãmara Municipal é necessário alguém estratega, politico e com liderança. Ao Presidente não lhe reconheço liderança, não por culpa própria mas pelos condicionalismos duma Presidência dificil e minoritária. Este presidente não teve oportunidade de liderar.
    Os Gestores, os Engenheiros, os Técnicos, os Doutores são os técnicos da Câmara. Até por isso considero um grande erro pensar que quem é técnico duma Câmara, pode ser um bom candidato. Como entendo a posição de desconforto do Sr. Ramiro de Matos. Como diz o povo ” uns trabalharam como a formiga e outros apareceram assobiando como a cigarra”. E a procissão vai no adro porque pela lista que circula, já feitinha nos cafés a coisa promete muita competência desgarrada, arrogância desmedida e alguma salada á mistura.
    Entre mortos e feridos alguêm vai escapar! Temos todos um grande defeito: somos naturalmente indomáveis.

  11. Ricardo Neves diz:

    Sr Luís Peres, se o bom homem era para mim, até aceito que possa ser ingénuo, mas a minha professora de português no interior ensinou-me que “até pode ser” e “é” são coisas muito diferentes. Será que interpretou mal ou quis ler aquilo que acha?… 2º Não teve oportunidades de liderar??? tantas que desperdiçou… a liderança tem de surgir perante as dificuldades, aliás deve sobressair mais nessas alturas. Só tenho pena que não surja um líder que nos conduza ao sucesso de outras regiões, mesmo em tempo de crise, pois se como diz a terceira via não é solução (interpretei mal?) estamos tramados e sendo assim saiam da frente que eu vou me lançar na auto-route para Bercy.

    Ps: Ainda tenho esperança que esteja enganado e a 3ªVia seja mais que as almoçaradas de gente arrogante que insinua.
    Ps2: A saladinha faz bem à saúde, será que vai fazer bem ao concelho? Se forem bons que se candidatem, se forem maus, espero que surjam outros. de qualquer forma, só o tempo o dirá.

  12. luis peres diz:

    Sr Ricardo: peço desculpa se fui agressivo ou grosseiro na minha intervenção. A verdade é que sou um incondicional do António Robalo e acredito que ele não tem tido as condições de estabilidade para governar. Fomos colegas em crianças, no colégio, porque ele como eu tivemos que sofrer com a emigração dos pais. Reencontrá-mos há alguns anos, ele como vereador e eu como técnico a trabalhar longe do Sabugal, na capital. Encontrei o mesmo que conheci em miúdo: amigo. humano, e a mesma capacidade de trabalho e intelegência reconhecida no colégio. Como Presidente falei uma vez com ele e espero não me expor em excesso, o lamento da dificil tarefa pela fragilidade do poder. Foi apenas isto que quis dizer. Mas sou suspeito, como se deduz daquilo que acabo de escrever e este espaços públicos têm esse risco. Acredite que o Presidente que conheço tem uma rede de amigos para além do Concelho e que ele sabe usar com primor. Quanto á concorrência, quanto melhor ela for, mais obriga a apurar a qualidade. È assim em todos os campos de actividade. Quanto aos adjectivos que apliquei no anterior post, resultam do que se vai dizendo no Sabugal a propósito de alguns interesses e desconforto instalado, pois o meu amigo Presidente sempre pensou pela sua cabeça. Ele vai perdoar-me aquilo que acabo de dizer, porque é sentido.

  13. Rosa Dias diz:

    Todos os comentários comprovam a evidência do PS se ter dividido, a troco de nada, porque a escolha do candidato a isso levou, como era de esperar. Os socialistas do Sabugal tinham outras alternativas, mas decidiram romper com o passado recente – eles lá sabem porquê (lutas internas à muito escondidas porque aquilo até parecia um partido unido).
    Ainda estão a tempo de uma treceira via, mas duvido até porque está aí à porta a Santa Catarina na Rebolosa (no domingo que vem) e o apontado candidato já lá vai aparecer de mão dada com a senhora que levará em segundo lugar (a arma secreta que toda a gente já sabe mas que o Capeia ainda não divulgou – não sei do quê que estão à espera).
    O presidente da Câmara bate palmas, porque ele também lá vai andar na Rebolosa, a distribuir sorrisos feliz com a passadeira que o PS lhe estendeu. Da minha parte digo ainda bem: os socialistas são o mal deste país e nós sabugalenses não os queremos a tomar conta da nossa terra – era o que faltava irem para a camara lavar a a roupa suja. O Robalo não é grande presidente, toda a gente diz isso mas mais vale estarmos assim com aquele coitadinho do que assistirmos à derrocada do concelho do Sabugal.
    Rosa Dias

  14. Diogo diz:

    Depois de ler os vários comentários que antecedem o meu, o que me deixa muito satisfeito sendo este um sinal de que as pessoas estão preocupadas com o concelho do Sabugal, decidi deixar também o meu contributo porque me julgo no direito de o fazer, enquanto natural, residente e trabalhador no concelho do Sabugal.
    O artigo do Sr. Ramiro Matos não deixa de ser interessante, mas é apenas mais do mesmo! Nada a que este ilustre Sr. não nos tenha habituado desde à quatro anos a esta parte. Muita teoría e pouca prática, ou como se diria na sábia linguagem popular, “Muita parra e pouca uva”.
    Mas, o que realmente importa a quem vive no e do Sabugal, é o conteúdo da conversa e não a pessoa que a escreveu. porque esse, demonstra nestas linhas a continuidade de “nada” para o concelho…
    Analisando o que está escrito, começaria por dizer que para bem do concelho, o PS do Sabugal teve a capacidade necessária para avaliar o projeto apresentado em 2009 e teve a coragem e a inteligência para deste abdicar, com todo o direito, diga-se!!! Mas aí, é óbvio que melindrou o autor do referido projeto e os seus fiéis “amigos”… O PS do Sabugal está de parabéns!
    Segundo me informei, o António Dionísio rejeitou perante o PS do Sabugal a possíbilidade de se recandidatar à Câmara Municipal. Lá deve ter as suas razões para o ter feito mas, parece-me que terão sido “esfarrapadas”, tendo em conta que abandonou os que andaram com ele ao “colo” entregues à sua sorte e foi de “rabinho a abanar” candidatar-se a Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal!!! Nem quero levar a sério o que o Sr. Ramiro diz no seu artigo, que o “Toni” apoia uma suposta lista independente senão, aí posso garantir-lhe que até eu votaria na lista do PS, coisa que nunca fiz!!! Mas desta vez…
    Fica-lhe mal, até pelo cargo que ocupa e que lhe foi dado pelo Partido Socialista, entrar em “birras” destas e atacar quem o empurrou para o “poleiro”. Sim, porque as vezes que o vi em ações de campanha, foi acompanhado pelo “pessoal” do PS!!! Olhe que a ingratidão paga-se cara….
    Ah e tal, o Sr. António José Vaz abandonou a Assembleia Municipal… E fez ele muito bem!!!! Se não se revia na estratégia que começou a ser aplicada a partir do momento em que o PS começou a trabalhar a candidatura, ía ser hipócrita e dizer “amen” só porque se tratava de defender o PS e aqueles que achavam que iriam mudar o concelho! Foi coerente, corajoso e hoje pode dizer à “boca cheia” que não compactuou com um programa cheio de nada!!!
    Uma coisa é certa, eu e a grande maioria dos Sabugalenses, estamos fartos dos “velhos”, que gastos de ideias acham sempre que têm a “chave” que vai resolver os problemas e as carências do concelho e aí, os dirigentes concelhios do PS e segundo sei, o Presidente da Concelhia, Nuno Teixeira, demonstram sentido de orientação, responsabilidade, inteligência e coragem para dar ao concelho aquilo que o concelho quer… Sangue novo e visão de futuro com gente do “povo” que conhece a realidade do Sabugal. Gente que anda na rua de cabeça erguida, gente que fala ao rico e ao pobre, gente que sabe o que é na realidade uma Câmara Municipal, gente que sabe e tem provas dadas de como colmatar as carências do povo Sabugalense e fundamentalmente, gente sem “rabos de palha”!!!
    Há aqui “comentadores” a referir o facto do PS no Sabugal estar todo partido… Estará??? O PS no Sabugal sempre foi conhecido por ter no seu interior várias fações. Alguém sabe quais as que estão com esta candidatura e as que estão contra? Pelo que sei, porque se comenta nos cafés do costume, pela primeira vez os “Pesos Pesados” estão juntos e todos a remar no mesmo sentido ao som do “timoneiro” que deve ter transpirado a bom transpirar para os conseguir unir. E não me parece que se deixem abalar com “birras” destas…
    O Sr. Ramiro ficou mesmo mal na “fotografia”!!! Então vem “cuspir” no prato onde ainda anda a comer…. Não gosta, não come!!!

  15. luis cunha mendes diz:

    Seguramente um pequeno presidente porque manda pouco e o dinheiro escasseia pela herança pesada que lhe deixaram com obras que se não fossem travadas a tempo estava a câmara no resgate como as 82 que foram ao resgate a semana passada. Olha se a A23 não parasse, se o parque de campismo de parceria público privada não parasse, e outras que tais,onde estaria agora o concelho. Olha se não viesse o dinheiro do Cró. Os milhões que se gastaram na estrada nova para o Soito, foram-se. tempo de vacas gordas com o dinheiro mal aproveitado. Com obras mégalomanas, já andava tudo á batatada na Câmara. Muito bem se safou o presidente porque foi mandado para uma fogueira, para queimar em lume brando e apagou a fogueira! Quanto ao coitadinho, qual cordeiro manso, muito atura ele. Foi realmente enviado para o sacrificio, mas saiu ileso. Lá diz no evangelho, bem aventurados os mansos e humildes de coração. A humildade é uma grande virtude. O Robalo é realmente muito humilde, muito popular e isso é uma grande virtude que nem todos conseguem exteriorizar como ele o faz. Á que valorizar esta postura a contra balançar com a arrogância de outros. Esses serão coitadinhos por outras razões, porque vivem em no mundo do desassossego e delirio.

  16. Rui Santos Silva diz:

    Tenha calma Sr. Diogo. Isso não se faz ao Toni, que deu a cara pelo PS e que conseguiu congregar a maioria do PS á sua volta. È alguém que merece muito respeito, expos-se numa campanha e que não ganhou talvez porque o povo quis apostar na experiência do outro candidato. Acredite que até mesmo na postura, no respeito, na amizade, no saber estar na vida o Toni e o António Robalo são muito semelhantes. O Toni não merece esse mau trato. O Toni disponibilizou-se para um serviço e como tal merece todo o respeito. E a propósito de Tubarões, não entendo essa, pois creio que isso no Sabugal não existe. Os Tubarões são vorazes, maus feitios, ditadores, visionários, disso não temos no Sabugal… Ao eng. Ramiro louvo a coragem e o sentimento de ingratidão que o invade.
    Quem semeia ventos, quase sempre colhe tempestades.

  17. Luis Soito diz:

    O PS não quer ganhar eleições, uma vez mais. Assim vão Longe.

  18. Manuel Rei Barros diz:

    Como responsável pelo PS Sabugal nas últimas eleições autárquicas quero, desde já, afirmar que as escolhas que o PS fez há 4 anos foram conscientes e as melhores para o Concelho. Infelizmente, os eleitores não entenderam assim. Paciência!
    Nesta nova fase, há que seguir com propostas. As pessoas são importantes, sem dúvida, mas os projetos e as ideias são o essencial. Por isso, antes de criticarmos as pessoas, vejamos primeiro as suas propostas para o futuro deste concelho. Os candidatos que fizeram parte das listas em 2009 deram o seu melhor ao PS e ao concelho e eles sabem que tiveram e continuam a ter o meu reconhecimento por esse contributo importante.
    Os órgãos locais do partido tiveram que tomar decisões. Como simples militante, aceito-as. Considero que devemos conversar, discutir ideias com serenidade e honestidade em prol de um futuro melhor para o Concelho. O PS só ganhará eleições quando Todos estivermos unidos e não devemos adiar uma vez mais a vitória do PS que lutará por um futuro melhor para o Concelho.
    Manuel Rei Barros

  19. quadrazenho diz:

    Galo de cabidela, franga na púcara, pica no chão, etc. é a ementa apresentada em breve á plebe!

  20. Mario Lopes diz:

    Os verdadeiros Sabugalenses há muito que não estão preocupados com as vitórias eleitorais do PS, PSD ou outros partidos. Os Sabugalenses têm nas diversas disputas eleitorais sabido em cada momento escolher as melhores pessoas para os representar. Na disputa que se aproxima não deixará de assim acontecer. Aos que andam tão nervosos pela escolha dos orgãos locais do PS, aguardem pelo conhecimento da restante equipa que a avaliar pelo 2.º(ª) muito o Sabugal tem a esperar, pois competência, entrega e capacidade de luta, são atributos que lhe são sobejamente conhecidos.Força Sabugal.

  21. quadrazenho diz:

    Competência, entrega e capacidade de luta, diria um autêntico tsunami, trovão e trovoada sinónimo de tempestade! Temperança é necessária…e águas calmas…para lutar é preciso conhecer os opositores!

  22. M Lopes diz:

    Sr. quadrazenho intrepretou mal, pois as valências (competência, capacidade de luta, empenho) não são contra ninguem, mas sim, como espero, em prol de um Sabugal melhor. A avaliar pelos diversos comentários é de esperar, para utilizar a sua expressão, um verdadeiro tsunani de vontades e empenhamento para que no momento certo o Sabugal faça as escolhas que melhor sirvam as suas gentes.

Responder a M Lopes Cancelar resposta