A ideologia protestante

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Lutero é um monge que se insurge, entre outras coisas, contra a riqueza da Igreja Católica. Ele predica um regresso à experiência espiritual e religiosa dos apóstolos de Cristo, que será procurada individualmente, como o faziam os anacoretas no Egipto, fugindo para o deserto, os monges anglo-saxónicos pensavam assim. Será que foi a partir deste pensamento, o regresso às fontes, que nasceu a Reforma? Muito provavelmente.


O leitor(a) já reparou que os países que mais influência tiveram e têm no Mundo, principalmente na Idade Moderna e Contemporânea, estão dominados pela ideologia protestante? Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha. A eles, diga-se a verdade, a humanidade deve o desenvolvimento da técnica e da ciência, mas também o culto exacerbado do dinheiro, a lei da concorrência, a única forma, segundo eles da convivência entre países e seres humanos, um Darwinismo social, a lei do mais forte. Reduziram o homem somente à parte económica, fomentaram o egoísmo, o individualismo e a brutalidade nas relações humanas. Isto está na génese do protestantismo? Não! Muitos homens protestantes, tanto americanos como europeus estavam movidos pelo lucro nos seus negócios, mas este lucro não era um fim em si mesmo, era um meio para se chegar ao que eles chamavam «perfeição moral». Para eles, conseguir riqueza era inseparável de virtudes como a honradez, a sinceridade, a justiça e a humildade. Tinham como guias espirituais, o marginalizado social, Jesus Cristo, e Sócrates, que morreu pobre.
O que são neste momento os homens de negócios desses países protestantes? Uns predadores que só têm por fim o lucro exacerbado, uns usurários, que nos primórdios da Reforma a sua ideologia tanto criticou os cristãos e judeus por essa prática. Nós portugueses, estamos neste momento a saber o que é a usura brutal e desumana dessa gente.
Em todas as organizações onde estiverem os três países, ou dois, ou só um, ONU e UE, por exemplo, os restantes povos não têm direitos, porque eles possuem mais recursos em armamento, recursos técnicos e económicos. À cabeça estão os Estados Unidos, o árbitro das relações internacionais, pouco se importam da soberania dos outros povos, reprimem, invadem, agridem, torturam, humilham e matam a seu belo prazer. Mentem e desinformam através dos seus meios de comunicação social controlados, e ainda se deixam rir do que a opinião pública pensa e diz das suas filhas de putice.
Sem a nossa participação interior, qualquer credo religioso ou ideologia política, transforma-se em letra morta, ou numa simples rotina. Por isso eu faço muitas vezes esta pergunta:
O Corão apela ao Terrorismo?
Na Bíblia está a Inquisição?
Marx nos seus livros fala em Gulagues e Prisões?
À conclusão a que podemos chegar é esta, o homem é muito débil para construir paraísos terrenos. Neste momento histórico que nos está a tocar viver, só o move a ganância e o lucro.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

One Response to A ideologia protestante

  1. António Emídio diz:

    Estimados leitores (as), em 31 de Outubro próximo passam 500 anos sobre a Revolta de Martinho Lutero em Wittenberg !

    António Emídio

Deixar uma resposta