Urtiga – Planta selvagem das mil virtudes

A Urtiga é, no âmbito das plantas silvestres, uma planta das mil virtudes. Conhecida por vezes como «erva menor» por criar comichões quando tocada, a Urtiga (cientificamente conhecida por Urtica Dióica) tem imensas aplicações e, tradicionalmente, aquela que era mais vulgar, a utilização na parte alimentar, sobretudo em épocas de maior fome, em que se recorria à Urtiga para suplantar eventuais carências alimentares e falhas da produção agrícola.

Confraria Urtiga - Fornos Algodres

«Há alguns anos, um grupo de amigos começou a preocupar-se com a perda significativa dos saberes e das vivências ligadas ao campo, às plantas e criaram-se as Jornadas de Etnobotânica com almoços temáticos. Foram feitas várias incursões por outros ramos, por outras plantas, mas tivemos finalmente de render-nos à questão da Urtiga, pelas vantagens e todas as qualidades em termos alimentares que a planta apresenta e pela versatilidade que ela tem em termos de potencialidade gastronómica”, recorda Manuel Paraíso, grão-mestre da Confraria da Urtiga que tem sede em Fornos de Algodres.
Com a Urtiga pode fazer-se tudo, é uma planta versátil, muito simples em sabor, de fácil abordagem numa entrada, numa sopa, num prato de bacalhau e eventualmente uma sobremesa.
Manuel Paraíso refere, como exemplo, a Sopa de Urtigas à Moda da Confraria baseada na sopa ou caldo tradicional da Urtiga que se fez evoluir um pouco e foi candidato ao Festival das Sopas de São Paio, organizadas pela ADRUSE – Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela, onde obteve o prémio da melhor sopa do festival.
Manuel Paraíso chama a atenção para o facto de a Urtiga já antes ter sido preparada e consumida, nesta como noutras regiões do país, onde se conhecem o «esparregado de urtigas», o «caldo dos pobres» e o «caldo de urtigas».
A Confraria esta apostada em levar a Urtiga de Fornos de Algodres além-fronteiras, pelo que se esteve já presente por duas vezes no Festival da Urtiga em França e onde, este ano, vão ser apresentados pela Confraria alguns produtos confeccionados com urtiga e promover também o concelho de Fornos de Algodres, pelo que será levado Queijo Serra da Estrela, um dos ex-libris do concelho e da região.
Em 9 de Abril a Confraria da Urtiga estará presente no Festival Gastronómico de Verin (Galiza-Espanha) a que concorre com o prato «Bacalhau com migas e pasta de urtigas».
aps (com Gabinete de Imprensa da C. M. Fornos de Algodres)

2 Responses to Urtiga – Planta selvagem das mil virtudes

  1. Carlos Marques diz:

    Amigos: este artigo está delicioso! Fantástico pelo tema. Eu nem sequer sabia que existia esta Confraria! Parabéns! Eu como as urtigas que cultivo no meu quintal. Adoro sopa e esparregado! Experimentem!!!

  2. Licínio Neves diz:

    Consumo, com regularidade, chás de ervas que colho e compro. Tenho estado fazer uma pesquisa acerca de ervas medicinais e ervas aromáticas e, na sequência, dei conta das potencialidades da urtiga e da sua utilização. Encontro agora este artigo que informa acerca da existência da Confraria da Urtiga (por sinal numa terra que conheço e onde já trabalhei) -que surpresa agradável! Eu também era daqueles que, por ignorância, tinha uma relação pouco amistosa com as urtigas. Na realidade, só se ama aquilo que se conhece! Estou em plena “campanha da urtiga” e, cá em casa, está para breve a primeira sopa de urtigas. Parabéns aos membros da Confraria e os meus cumprimentos.
    Licínio Neves

Deixar uma resposta