O bucho raiano foi rei em Lisboa (1)

O Festival das Confrarias Gastronómicas, realizado em Lisboa no sábado e no domingo, contou com a presença de inúmeras confrarias, dentre as quais a do Bucho Raiano, do Sabugal, que esteve nos três espaços disponíveis: restaurante, degustação de tapas e artesanato.

O bucho foi à mesa no restaurante da Praça da Ribeira, local onde teve lugar o certame, que aconteceu a 4 e 5 de Setembro. No espaço para as tapas, a Confraria do Bucho serviu pratinhos com morcela, farinheira, chouriço, bucho e trutas fritas do Côa. No espaço de artesanato coube à Casa do Castelo apresentar diversos produtos oriundos do concelho do Sabugal, com destaque para os trabalhos de bracejo, os doces e os queijos.
O Festival iniciou-se na manhã de sábado, com a concentração das confrarias participantes defronte aos Paços do Concelho de Lisboa, onde o presidente, António Costa, deu as boas vindas. Depois os confrades seguiram em cortejo até á Praça da Ribeira. A Confraria do Bucho, com quinze confrades, foi a agremiação com maior representação, cabendo-lhe, enquanto confraria federada mais nova, encerrar o desfile.
Já no interior da Praça da Ribeira a presidente da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, Madalena Carrito, o presidente da Câmara, António Costa, e o vereador Sá Fernandes, tomaram a palavra para justificarem a iniciativa, que pretende dar maior vida à cidade, e prometeram tudo fazerem para que a mesma se repita em 2011.
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, e o presidente da Assembleia Municipal, Ramiro Matos, estiveram presentes, correspondendo aos convites que lhes foram dirigidos para acompanharem os demais sabugalenses nesta jornada de divulgação da gastronomia da raia.
No restaurante, o bucho emparceirou com a vitela de Lafões, a sopa da pedra de Almeirim e a chanfana de Vila Nova de Poiares, enquanto que no local das tapas esteve junto a dezenas de outros sabores portugueses, como o bucho de Arganil, o queijo Serra da Estrela, os ovos moles de Aveiro, e muitos outros paladares representados por diversas confrarias.
Para além da gastronomia e do artesanato, houve música e dança populares, num ambiente de intensa alegria e amizade.
O bucho e os enchidos, vindos do Adérito da Rebolosa, e as trutas, vindas do Trutalcôa de Quadrazais, foram inteiramente consumidos, nada restando no final dos dois dias. Foi pois uma jornada memorável, que incluiu uma entrada da Confraria do Bucho em directo na emissão da estação televisiva SIC.
Se havia quem tivesse dúvidas acerca do potencial do bucho raiano, ficou agora provado estar à altura das demais peças da culinária portuguesa. De parceria com os enchidos, as trutas do Côa, o cabrito e outros dos nossos sabores tradicionais, o bucho tem a possibilidade de se afirmar como peça gastronómica de excelência. Haja pois quem ponha mãos à obra. Os restaurantes do concelho do Sabugal que o coloquem definitivamente nas ementas, inovando, se necessário, na forma de o servir, porque esta peça gastronómica encerra uma janela de oportunidade que o concelho não pode desaproveitar.
Para o ano, se a iniciativa se repetir, a Confraria do Bucho voltará a marcar presença, procurando inovar e melhorar a sua participação.
plb

4 Responses to O bucho raiano foi rei em Lisboa (1)

  1. joao Valente diz:

    … E alguns produtores locais, percebendo a importância deste evento, aproveitaram para escoar os seus produtos (mais houvesse, mais vendiam segundo me contaram) e introduzir as suas marcas (apareceu uma nova marca local). Provado ficou, se alguma dúvida existisse ainda, como as confrarias e estes certames podem dinamizar as economias locais das respectivas regiões.

  2. Ramiro Matos diz:

    Foi com muito orgulho que vi o Sabugal afirmar-se a todos quantos visitaram o Mercado da Ribeira…

    Para os que acreditaram e ousaram os meus parabéns, aqui ressaltando porque de justiça o Paulo Leitão e o José Carlos Lages.

    A Confraria do Bucho Raiano demonstrou a quem tinha dúvidas a sua importância para a divulgação nacional do Concelho do Sabugal.

    Ramiro Matos

  3. Jorge Clemente diz:

    Deixo aqui algumas questões, para reflexão e debate: 1- Será que foi o ponto mais alto da Confraria do Bucho, e num futuro próximo vamos ver a Confraria menos activa? 2- Será que foi o “balão de ensaio” para uma afirmação Nacional e até além fronteiras? 3- Será que vamos ter uma “competição” na Capital, Capeia – Confraria, a nível de visitantes? (4.000, em ambos os eventos). No entanto, aqui deixo o meu agrado a toda a Confraria, pelo excelente trabalho que realizou na Capital. Abraço a todos.

Deixar uma resposta