A verdadeira arte de caminhar

Estão na moda as caminhadas. Por tudo e por nada se organiza uma caminhada. É um bom convívio, certamente, mas eu cá prefiro a solidão do meu caminho.

Mondeguito

João Valente - Arroz com Todos - Capeia ArraianaAndar a pé é uma nobre arte, semelhante à dos antigos cavaleiros andantes, que muito poucos entendem e que nenhuma fortuna é capaz de comprar, porque exige os requisitos do lazer, liberdade e independência, que são essenciais a um bom andarilho e comuns aos heróis.
A origem da palavra andarilho está no sauntering palavra que derivada de sainte-terrer, vadios que na idade média pediam esmola para ir à Terra Santa. Os que iam eram os saunters, os outros, meros vagabundos, que tão bem retrata o romance anónimo medievo, El Lazaralilho de Thormes. Mas para partir era necessário um estado de espírito de total despojamento; era o desprendimento de pai e mãe, irmão e irmã, esposa e filho, amigos, na incerteza da viagem, o saldar as dívidas, fazer o testamento, deixar os negócios em ordem e ser um homem livre para iniciar a caminhada.
Neste sentido o andarilho era também um Sans terre, um sem pátria, no sentido em que a sua pátria passava a estar em toda a parte. É este o verdadeiro segredo do sauterning. O pertencer a toda a parte e a nenhuma em particular. O peregrino renunciava a seu trabalho, fonte de seu sustento cotidiano, trocando a segurança e o conforto de seu lar, seu espaço homogêneo, conhecido, familiar, pela heterogeneidade do espaço desconhecido, pelo imponderável.
Em suma; a peregrinação era uma aventura, tal como o caminhar na natureza o deve ser!
Por isso, pertencer à verdadeira família dos andarilhos, ser andarilho, exige um desprendimento de alma, uma ascese, igual à do peregrino. E esta alma de peregrino que deve ter o caminhante, não se adquire; tem de se buscar no interior do coração de cada um: Ambulatur nascitur, non fit.
Podem-se fazer dezenas de caminhadas nas quais se tem a felicidade de percorrer as matas, as colinas, os campos, longe das preocupações mundanas mas sem este espírito de desprendimento nunca conseguiremos ter os sentidos despertos, a imaginação livre para a verdadeira fonte da vida que é a natureza.
É na rusticidade da natureza que está a preservação do mundo. Uma comunidade subsiste, não mais pela existência de homens bons que nela vivam mas também pelas matas e charcos que a circundam. Um território onde uma floresta primitiva cresça sobre outra que apodrece no subsolo, tanto fornece trigo e batatas como poetas, filósofos e reformadores para as gerações vindouras. Homero, Confúncio e Licurgo, comeram trigo e mel como todos os homens. Não é por acaso que os Eubeus, originários de uma ilha vulcânica e pioneiros da expansão grega para ocidente procuravam solos vulcânicos para estabelecerem as colónias, ou que Rómulo e Rémulo tenham sido amamentados pela mítica loba; é que nações civilizadas como Grécia ou Roma – devem a sua existência a florestas primitivas que há séculos se decompuseram, tendo sobrevivido enquanto se não exauriu o solo desse adubo vegetal.
Tudo o que o homem civilizado é, deve-o pois à natureza! Quantas vezes o esquecemos…
Mas também o mais belo é o mais natural e selvagem… O pato selvagem é mais veloz e belo que o doméstico; um livro verdadeiramente bom é algo tão natural e inexplicavelmente belo como uma violeta descoberta num lameiro.
De que serve pois organizarmos caminhadas, os nossos passos levarem-nos às florestas, ao campo, à serra, se o nosso coração não consegue levar-nos até lá? De que serve lá estarmos corporeamente, sem lá entramos em espírito?
Só a liberdade e solidão do andarilho proporciona aventura e a sensação de sair do nosso mundo, para nos internarmos numa floresta, tornando os nossos passos tão frescos naturais e verdadeiros que parecem expandir-se como os botões de rosa à aproximação da Primavera. Só ela tem a magia de fazer com que um caminho percorrido anos a fio, traga sempre novas sensações; uma simples casa de campo que se ainda não deparara, quebre subitamente a monocromia do prado, uma andorinha sobre um junco do ribeiro lembre o conto do príncipe feliz de Oscar Wilde que acabámos de ler, na forma bizarra de uma raiz saliente de um pinheiro a imaginação veja a cara de uma pessoa conhecida.
Enfim, a natureza tem uma personalidade tão vasta e universal que jamais vimos algo de igual feição. É este o segredo.
Há tempos repeti uma caminhada que costumava fazer na juventude. Foi a pé, para ir dormir ao Covão da Ponte, na Serra da Estrela. Subi a estrada que vai de Manteigas à Pousada e apanhei uma cortada em terra batida que depois de uma íngreme subida de dois kilómetros sobre o Vale de Sameiro, desce mais outros quatro pelo vale, fonte de um pequeno riacho, semeado de pequenas quintas de culturas estivais e pastos. Lá ao fundo é o Covão da Ponte com o Mondeguinho cristalino e frondosíssimo arvoredo, e na encosta oposta, a subida para os Casais de Folgosinho, povoada de castanheiros.
Era pelo fim do dia e tive a uma das mais notáveis paisagens de crepúsculo Estival da vida. Já tinha feito dezenas de vezes aquele trajecto e àquela hora, mas nunca tinha reparado como o sol a entrar nas alas da mata sobranceira ao Covão, incendiava a majestosa mancha dos seus castanheiros e justamente antes de se pôr, desencadeava a mais branda e brilhante luz solar sobre o pasto.
Assim, peregrinando, a minha sombra projectando-se no caminho, o sol brilhou no meu espírito, aqueceu o meu coração com a sua luz serena e dourada, naquela colina de Verão, como nunca tinha acontecido.
Haverá lá coisa no mundo que pague isto?
Esta semana vou fazer pela enésima vez o mesmo trajecto, e de certeza que me vou agradavelmente surpreender com qualquer novidade na paisagem, porque vou sozinho e imbuído do tal espírito livre de andarilho.
Até sempre! Não sei se e quando volto…
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

5 Responses to A verdadeira arte de caminhar

  1. jose robalo diz:

    Dizia alguem que devemos censurar os nossos amigos em privado e elogia-los em público. O João Valente para alem de ser meu conterrâneo faz parte do pequeno lote dos meus amigos. No final do passado mês de julho à mesa do restaurante em Leiria, estivemos saudavelmente em desacordo na grande maioria dos temas que conversámos. O João para alem de ser um grande advogado, possui dotes literários impares.Já li textos teus neste espaço menos conseguidos. Reconheço no entanto que este teu post está completíssimo e é de uma qualidade literária superior. Parabens. O percurso poderia ser na Ruvina ou em qualquer outro recanto, ou encanto do concelho.Um abraço!
    José Robalo

  2. Fantástico saber que alguém partilha esta mesma visão de “passear” que eu partilho e que a descreve com tão belas palavras.
    Percorrer o mesmo caminho nas mais diversas alturas do ano trazem-nos sempre surpresas e temos sempre uma melhor noCão de como a Natureza se rege e perceber o porquê dos seus diversos comportamentos.

    Infelizmente também somos surpresos por abismais monstros…

    Não posso deixar de falar do tremendo erro que está a ser feito em Sortelha, numa das minhas passeatas comuns por essas terras descobri que sempre se avanCou com a elevaCão de tais monstors que rasgam a paisagem milenar e circundante de Sortelha, essa paisagem riquissima e antes Virgem a qual sucumbiu á forCa capitalista que cada vez mais esmaga o que temos de melhor…

    Continue a escrever Senhor Valente, tem de facto uma forCa imensa nas suas palavras, tem aqui um fã dos seus artigos.

    PS (PeCo desculpa mas o meu teclado nao me permite usar certos acentos e letras do alfabeto português)

  3. josnumar diz:

    Meu caro amigo:
    As Caminhadas pelo Interior”, organizadas pela C.M.Sabugal, transformar-se-iam em arte e em momentos de aventura e aprendizagem se a organização convidasse o senhor para acompanhar os andarilhos e houvesse tempo para uma paragem para o escutar e aprender a observar a natureza. Realmente a natureza ensina-nos a colocar-nos no nosso lugar e aprendemos o verdadeiro sentido das caminhadas da vida.

Deixar uma resposta