O Casteleiro e a lenda do beijo eterno de Sortelha

Para descobrir a fortaleza medieval de Sortelha há que atravessar a Porta Principal. À entrada, do lado esquerdo, está o «Beijo Eterno», um conjunto de dois barrocos que quase se tocam corporizando a lenda do beijo eterno que deu origem ao Casteleiro.

Barrocos do Beijo Eterno em SortelhaConta-se que no início da Reconquista, quando cristãos e mouros avançavam e recuavam ao sabor da sorte das armas, Sortelha sofreu um rigoroso cerco pelas tropas sarracenas, que a todo o custo queriam recuperar aquele ponto estratégico.
No castelo vivia o alcaide, homem forte e valoroso, a sua mulher, que todos diziam possuir poderes mágicos, e uma filha, donzela casta e formosa.
O cerco terá durado tanto tempo que a pobre rapariga farta de não poder sair do castelo, se entretinha a espreitar do alto das muralhas o movimento no acampamento das tropas inimigas. Cedo, começou a reparar no garboso príncipe árabe que comandava aquele exército. Ao princípio ria-se da sua roupa esquisita e dos seus costumes tão diferentes dos seus. Mas, com o tempo, começou a sentir que o coração batia mais depressa quando o via passar montado no seu belo cavalo. O tempo foi passando até que um dia, durante um reconhecimento à volta da muralha, o príncipe a viu com os seus cabelos soltos a brilhar ao sol. Ficou sem fôlego. Nunca tinha visto uma beleza assim. Por sinais e gestos foram-se comunicando, às escondidas de todos. Com a conivência de alguns soldados do castelo e a coberto da noite o príncipe começou a deixar-lhe pequenos presentes na muralha onde se costumavam ver e que ela ao outro dia retribuía. Aos poucos o amor foi crescendo e cada vez era maior a vontade de ambos, de se encontrarem.
A mãe da menina, entretanto andava muito desconfiada de que qualquer coisa estranha se passava. Primeiro, a filha antes tão triste e tão calada, tinha agora o rosto iluminado por uma luz nova e por diversas vezes a surpreendera a cantar sem prestar atenção ao pano que bordava no bastidor. Ainda pensou que era apenas a chegada da Primavera e o desabrochar da juventude. Mas quando viu nos seus olhos o horror estampado, ao falar-lhe do gosto que ela e o pai tinham no seu casamento com o filho do alcaide do Sabugal, percebeu que o caso era bem mais sério.
Começou a vigiá-la. Mas a menina era tão cuidadosa que nos dias seguintes a mãe não conseguiu tirar a história a limpo. Entretanto, o príncipe tinha subornado os três soldados que estavam a par do romance para deixarem sair a menina, quando ficassem os três de sentinela às portas do castelo. O tão esperado dia chegou. E quando depois da ceia a menina se quis recolher mais cedo a pretexto de uma dor de cabeça, a mão teve a certeza de que qualquer coisa ia acontecer nessa noite. Sem querer alertar o marido, deitou-se ao lado dele como sempre mas não adormeceu.
De madrugada teve a sensação de que ouvira um ruído. De mansinho levantou-se, vestiu-se e foi ao quarto da filha. Estava vazio. Desesperada correu para o alto da torre. Lá de cima tudo parecia calmo. No entanto depois de habituar os olhos à escuridão viu que qualquer coisa mexia mesmo por baixo do sítio onde estava. De repente as nuvens descobriram a lua e a mãe estupefacta viu a menina nos braços do príncipe árabe, beijando-o. Num terrível acesso de raiva, a mãe desencadeou um tal poder que de imediato os dois amantes desapareceram. Quando o sol se levantou, descobriu-se com espanto que no local onde eles se tinham encontrado, estavam agora dois barrocos como que se beijando eternamente.
Os mouros quando se aperceberam de que o seu chefe desaparecera misteriosamente durante a noite, levantaram o cerco e foram-se embora. Quanto ao pobre alcaide, além de ter descoberto que estava casado com uma feiticeira, coisa que na época não era muito bem vista, ficara sem a filha que tanto amava. Resolveu então pedir ao rei que o substituísse no cargo e refugiou-se com a mulher numas terras que tinha no vale, dando origem ao lugar do Casteleiro.
in «Aldeias Históricas», de Margarida Magalhães Ramalho
jcl

2 Responses to O Casteleiro e a lenda do beijo eterno de Sortelha

  1. palmira sousa diz:

    Adorei ler esta lenda. Gostaria de saber se existe alguma outra ligada ao Terreiro das Bruxas e porque motivo é assim chamado. obrigada

  2. António Silva - Paredes diz:

    10-04-2015 – Não deixe de ser engraçado. Um ano depois estou a deixar o meu comentário. Deixo-o porque gosto de lendas, de forais, de tudo o que se relaciona com a História de Portugal. Dizia-se na tropa, que quem não constrói a base, não consegue subir ao andar de cima. Sempre acreditei nesta verdade. Se gosto de história, não posso deixar de engrandecer que se dedica abnegadamente a este trabalho. É árduo e só com espírito de sacrifício pode ser concluído. Bem haja que assim procede.
    No meado de Maio vou ver tudo isto pessoalmente no local. Eu e mais uns quantos que gostamos de passear por terras de Portugal!
    Já deixei ideia semelhante no Castelo de Belmonte, e que é, por que não se compilam as inúmeras lendas e até forais, num livro, ou DVD, ou ambos? Embora hoje esteja na net, amanhã pode não estar. e, era sempre uma fonte de receita, com toda a certeza. Pensem nisso!
    ANTÓNIO SILVA – PAREDES

Deixar uma resposta