Novo livro de Pinharanda Gomes

Literatura - Capeia Arraiana (orelha)

Sempre às voltas com a Filosofia e a Teologia, o autor quadrazenho Pinharanda Gomes escreveu novo livro, intitulado «Imagens de Literatura e de Filosofia», editado pela Fundação Lusíada.

Imagens de Literatura e Filosofia - PInharanda Gomes - Capeia Arraiana

Imagens de Literatura e Filosofia – PInharanda Gomes – Capeia Arraiana

Trata-se de uma viagem ao pensamento de autores portugueses, cujas obras são marcos que assinalam reflexões filosóficas. São textos que estavam esparsos, resultantes de intervenções diversas em colóquios e em congressos, para além de artigos isolados publicados em jornais e em revistas.
Pinharanda Gomes diz, metaforicamente, que andou ao rebusco e ao respigo, procurando entre os papeis textos de interesse que, juntos no mesmo volume, depois de reapreciados e revistos, formaram um todo. Os textos constituem um trajecto através de temas e de figuras da cultura portuguesa, analisadas entre a Filosofia e a Teologia.
Após uma definição de conceitos de doutrina estética, os textos vão ao encontro dos autores que escreveram literatura e da qual é possível extrair alguma filosofia.
Tudo roda em volta da «Filosofia Portuguesa», em cuja gnose se descobrem duas vias principais: a via dinâmica e criacionista, encabeçada por Leonardo Coimbra, e a via saudosista, de que é expoente Teixeira de Pascoaes. Assim, há reflexões acerca do espiritualismo combativo que sobressai da poesia de Guerra Junqueiro, confrontado com o sentimentalismo de Raul Brandão, para quem tudo tem alma e emoções. Passa depois em revista a visão messiânica de Teixeira de Pascoaes e a teologia da criação inserta na poesia de António Correia D’Oliveira. Viaja também pelas ideias estéticas dos romancistas Francisco Costa e Ferreira de Castro e pelo pensamento de Dalila Pereira da Costa.
O livro contém ainda reflexões sobre a arte de filosofar e sobre o papel da filosofia na educação do Homem e aborda, em jeito de memória, os contributos dos pensadores Frei Luís de Granada e de Lisboa, Luís Zuzarte, Romeu de Melo, António Quadros, Luís do Espírito Santo e D. José Blanc de Portugal.
Pinharanda Gomes cede o livro ao leitor, dizendo tratar-se de uma oferenda de pão centeio «pobre, mas moreno; moreno, mas com alguns insólitos sabores, em que os da côdea são mais sápidos do que os do miolo. Quanto ao que esteja na côdea, se filosofia, se literatura, o Leitor dirá de seu juízo».
plb

Deixar uma resposta